segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

a importancia dos otás nos assentamentos




Hoje, vamos homenagear todos os orixás explicando a importância dos OTÁS nos assentamentos.


Em nagô, pedra. No candomblé, é basicamente uma pedra, mas com função especialíssima nos rituais. É o receptáculo natural para a força energética dos orixás, uma espécie de pára-raios com a capacidade de atrair e, sendo submetido a diversos rituais, armazenar parte dessa energia. É o elemento principal do "assentamento" de um orixá em um terreiro ou em uma fonte natural de energia (uma cachoeira para Oxum, por exemplo, um ponto da natureza onde haja vento permanente para Iansã).

As pedras que podem ser transformadas pelos sacerdotes em otás não são escolhidas aleatoriamente. Cada orixá tem seu otá específico: a pedra deverá vir de um rio, na forma de um seixo submerso na corrente, se for servir de assentamento para uma Oxum ou para uma Obá; deverá vir do mar se for servir para assentamento de Yemanjá; da mata se for empregada num assentamento de Oxóssi; de minério de ferro se for empregada para assentar um Ogum; um pedaço de mármore ou qualquer outra substância tão resistente quanto ele, e também branca, para assentamento de Oxalá, etc. Se a pedra deve ser lisa ou rugosa, se precisa ser retirada de dentro da terra sem nunca ter tido contato com o oxigênio livre ou se deve ter estado obrigatoriamente à exposição do vento, tudo isso vai depender também das exigências próprias de cada orixá. Os otás ficam no peji do terreiro, dentro de vasilha especial, de louça ou barro, eternamente mergulhada em substâncias líquidas que variam de orixá para orixá: pode ser mel, azeite doce ou azeite de dendê, etcf. Junto às pedras, ficam outros "receptáculos" de axé, miniaturas de símbolos dos orixás (usados na dança em tamanho maior), como espadas, cobras, o ibiri, os espelhos, etc. Em frente a essa vasilha são oferecidas as "comidas de santo" nos ossés semanais ou quando um filho de santo do terreiro faz uma oferenda. Depois de um tempo, que varia conforme a ocasião, o alguidar com a comida de santo é retirado do peji e levado pelo sacerdote e pelo filho de santo para o local da natureza onde a comida será definitivamente entregue.


DICIONÁRIO DO CANDOMBLÉ

ASSENTAMENTO - Processo ritualístico pelo qual se liga a um corpo material o axé, a força mística de uma energial imaterial. Por redução, o termo é utilizado para designar o objeto (pedra, árvore, símbolo de metal) que representa o orixá, depois de um ritual (secreto) faz com que as energias místicas sejam concentradas no objeto. O fetiche mais comum para esse efeito é o otá, uma pequena pedra que fica no peji, guardada em vasilhas tampadas (ou não), mergulhadas em sustâncias ou líquidos, dependendo de cada orixá. Por extensão, o termo também pode se referir ao processo de iniciação de um filho de santo, eventualmente se usado assentamento de santo para designar o momento em que a força mística do orixá é fixada na cabeça (ori) de um iawò.

PEJI - Espécie de altar presente no roncó dos terreiros de candomblé, onde ficam os símbolos, otás e assentamentos de boa parte dos orixás cultuados na casa. Os iawòs só podem entrar quando forem devidamente autorizados, ou, então, quando acompanhados pelo babalorixá. É na frente do peji que ficam as comidas de santo, desde o momento em que são oferecidas ao orixá até a ocasião de serem despachadas nos pontos da natureza correspondentes a cada divindade-vibração. Segundo Olga Cacciatore, "antigamente era uma espécie de mesa coberta, onde ficavam, visíveis, as imagens dos santos católicos, para disfarce ante as perseguições policiais, e, na parte de baixo, escondidos, os otás, vasilhas, etc." Na umbanda, o peji fica na sala grande do terreiro (abassá).

Um comentário:

  1. Muito mais importante que se apegar ao nome que foi dado para o seu assentamento, até porque isso é ” um título ” convém à você saber com que ” força espiritual ” está lhe dando. O oráculo é o primeiro passo, mas nada como o seu convívio diário e cabe a você estudar e ter intimidade com essa energia, sim, você terá que fazer isso…pois o contrário não acontecerá. Agora, caso sua arrogância te faça questionar, afrontar e muitas vezes despachar essa energia do seu caminho, ela se tornará negativa.
    O caminho do labirinto começa quando você acha que as entidades-orixás devem satisfazer os seus ” caprichos ” em troca de oferendas, de uma ave…a sua ignorância impede de entender a profundidade da energia e sua aliança com ela.
    Um assentamento, principalmente, se alimenta da sua energia vital e você da energia do mesmo. Essa aliança exige entrosamento, intimidade, muita mais, que a quantidade de oferendas na intenção de realizar seus caprichos e desejos.

    Fernando Alegria Simões !!

    ResponderExcluir